Fique Por
Dentro

Novidades do mercado de plásticos.

Sustentabilidade: economia circular e o plástico
03 set de 2019
voltar

Com cada vez mais informações, os problemas com o plástico vêm aumentando, e, por isso, é importante que todo mundo se preocupe e se conscientize com o nosso meio ambiente. E se você ama a natureza, muito deveria se preocupar. O motivo é simples: uma natureza protegida da deterioração e/ou poluição garante um mundo melhor para se viver e, consequentemente, os lugares que amamos frequentar ficarão preservados sempre.

Nesse contexto, surge uma nova economia que promete ajudar, e muito, a não poluir o meio ambiente por meio do plástico, além de ser uma nova maneira de produzir e consumir: a economia circular. Essa economia é um conceito estratégico que se baseia em: redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia, no processo construtivo de uma empresa.

A proposta é criar novos fluxos circulares de reutilização, restauração e renovação, em um processo integrado, sendo vista - a economia circular - como um elemento chave para promover a dissociação entre o crescimento econômico e o aumento no consumo de recursos. Ainda mais no atual momento de consumo em que vivemos, onde o mesmo - consumo - é feito em demasiado.

E muito está se falando da modificação da economia tradicional para a economia circular. Afinal, nela, todos os elementos da cadeia produtiva são reaproveitados na fabricação de novos produtos. Com isso, reduz-se a extração de matérias-primas da natureza e, consequentemente, o consumo consciente entra em cena. Isso serve, ainda mais, para os plásticos, uma vez que os índices de reciclagem devem aumentar para se obter cada vez mais o reaproveitamento nas empresas, sempre com foco na sustentabilidade.

Como essa forma de economia auxilia na situação atual do planeta?

Contando que os produtos produzidos serão pensados pelas empresas não só até sua venda, mas sim até o “fim da vida”, a poluição pode diminuir. Por quê? A peça, depois de adquirida, será reciclada para, a partir dela, ser produzido um novo produto. Assim, a extração da matéria-prima da natureza diminui, colaborando com a mesma. Além disso, tudo que for reciclado não tem chance de prejudicar o meio ambiente.
Ou seja: nada é descartado e todos os elementos da cadeia produtiva são reaproveitados na fabricação de novos produtos.

Mas em que contexto os plásticos se inserem nesse assunto?

É possível perceber que a cada ano aumenta a quantidade de materiais plásticos nos oceanos e montanhas. E para contextualizar o plástico dentro da economia circular, é simples. Por exemplo: grande parte dos forros sintéticos de jaquetas são feitos de plásticos. O tecido de várias calças de trekking, assim como os neoprenes dos surfistas, ou as jaquetas de softshell, também são. Assim, o problema de uso de plásticos, ou diminuição do uso, são o grande desafio da economia circular.

Ou seja: as roupas que usamos podem poluir o planeta. Aqui, entra também a questão do consumo excessivo, não só do plástico, mas de tudo, inclusive das roupas. Além disso, a baixa preocupação em reciclar plásticos.

Existem ações que prometem diminuir isso, como os “plásticos sustentáveis” (plásticos de fontes renováveis) e até plásticos biodegradáveis - você pode conferir mais sobre esse assunto acessando aqui. Porém, para o uso como forramento de jaquetas e confecção outdoors, por exemplo, essa solução ainda é muito limitada. Assim, praticar a economia circular é a melhor forma de auxiliar para que todos saiam ganhando: o cidadão e, consequentemente, a natureza.

Para continuar por dentro de informações sobre o mundo dos plásticos, acesse nosso blog e veja todas as novidades e curiosidades sobre o assunto.